ABONO EXTRA DE R$ 2.424 PARA APOSENTADOS E PENSIONISTAS DO INSS

0

Ótima notícia para os beneficiários do INSS! O abono extra do 14º salário liberará R$2.424 para os segurados do INSS. Confira mais informações.

A proposta do abono extra do 14º salário foi criada pelo Deputado Pompeo de Mattos no começo da pandemia. Portanto, ela prevê pagamento de R$2.424 para os segurados do INSS.

No entanto, depois de alguns avanços para aprovação final da proposta, uma nova mudança foi anunciada nos últimos dias.

Leia mais: Pagamento do 14º Salário: Bolsonaro se manifestou veja o que ele disse e saiba a verdade

Confira aqui todos os detalhes sobre o abono extra do INSS!

Ative agora as notificações do Blog da João Financeira, assim você fica por dentro de todas as últimas notícias sobre o INSS. Garanta ficar por dentro de todos os seus direitos!

O que é e quem tem direito ao abono extra do 14º salário

Como mencionado, o 14º salário é uma proposta de pagamento de abono extra para os segurados do INSS. Sendo assim, tem direito ao benefício aqueles que recebem:

  • Auxílio-doença;
  • Pensão por morte;
  • Auxílio-reclusão;
  • Auxílio-acidente;
  • Salário maternidade;
  • Aposentadorias (todos os tipos).

CLIQUE AQUI e receba as PRINCIPAIS NOTÍCIAS do Blog da João Financeira pelo WhatsApp

Datas e valores de pagamento do 14º salário

Com aprovação do projeto estima-se que 31 milhões de pessoas poderão receber até 2 salários mínimos, ou seja R$2.424.

A princípio a expectativa era que o 14º salário fosse pago em Março de 2022 e 2023. No entanto, a liberação do valor está atrasada.

Ou seja, nos últimos dias ocorreram mudanças na tramitação do projeto que fizeram as expectativas de pagamento diminuir. Porém, não podemos desanimar uma vez que muitos deputados favoráveis ao projeto ainda lutam por sua aprovação na Câmara.

Veja a seguir como está a tramitação para liberação do 14º salário na Câmara dos Deputados.

Como está a tramitação para liberação do 14º salário?

A tramitação do 14º salário sofreu algumas alterações nos últimos dias. Ou seja, no último dia 14/06 houve uma reunião no gabinete do Deputado Ricardo Barros, líder do Governo na câmara dos deputados.

Portanto, nessa reunião estavam presentes deputados, ativistas que defendem o projeto 4367/2020 do 14º salário e também estavam presentes membros do ministério da economia. O intuito dessa reunião era discutir a viabilidade econômica de pagamento do abono extra.

Porém, ficou claro o posicionamento do governo se mostrando contra o mesmo. Foi alegado o pagamento do 14º salário irá gerar um grande impacto no mercado. Dessa forma o governo se declarou contra.

Imediatamente os deputados favoráveis começaram a articular apoios para colocar em votação o projeto de 14º salário na câmara dos deputados na CCJC. Porém, a votação infelizmente não ocorreu e o Presidente da Câmara Deputado Arthur Lira acatou o requerimento 1041/2022 do deputado Tiago Mitraud.

Este requerimento solicita que o projeto seja discutido na Comissão de Defesa dos Direitos da Pessoa Idosa. A ideia desse deputado é atrasar ainda mais a votação. E ele conseguiu.

Portanto, ao aceitar o requerimento Arthur Lira mandou também o projeto para a Comissões de Trabalho, de Administração e Serviço Público além da Comissão dos direitos da pessoa idosa. Se não bastasse isso, ele também anunciou que o projeto deverá ser discutido em uma Comissão Especial.

Contudo, o detalhe é que quem cria a comissão especial é o Arthur Lira. Então agora o 14° salário ficou bem mais complicado de sair por conta dessa jogada e a luta ficou ainda mais complexa para sair em 2022.

Leia mais: Bancos já anunciaram a liberação do 14° salário; Tome cuidado

Dica bônus:

Receba nossas informações diariamente de forma gratuita, nos seguindo em nossas redes sociais:

CLIQUE AQUI E CONHEÇA NOSSA PÁGINA NO INSTAGRAM DO BLOG!

CLIQUE AQUI E CONHEÇA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK DO BLOG!

Dica extra: Tenha todas as informações de forma rápida e sem precisar ler as notícias: Clique aqui, se inscreva e assista.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.